quinta-feira, 14 de julho de 2011

das coisas que eu sei da vida

Um homem que conheço dizia-me há tempos que nós, mulheres, somos umas cabras da pior espécie. Tenho para mim que é capaz de ser dos homens que conheço que pior encara a vida sem mulheres, uma ou várias, e mesmo estando por dentro do contexto, sei que este homem vive numa guerra permanente e mais ou menos saudável entre estas duas certezas: a da natureza cruel e manipuladora que faz parte da condição feminina e a da sua resignação face ao deslumbramento que essa mesma condição lhe impõe. Provoca-me nervoso miudinho esta coisa da distinção entre homens e mulheres porque atribuir a causa das coisas a um género, indistintamente, como sendo uma inevitabilidade, é um pouco comparável a dizer que já temos um destino traçado, outra das coisas que me causam espécie pois serve mais de pretexto para desculpar a nossa inércia, do que para justificar as nossas escolhas. E se bem que reconheço tendências comportamentais que se vão valendo de maus hábitos ou tradições bacocas para perpetuar os comportamentos mais masculinos ou mais femininos, não lhes atribuo carácter vinculativo. As mulheres são tão misteriosas como os homens, que é o mesmo que dizer que há alguns que vale a pena descobrir e outros nada têm a oferecer. Ambos se desiludem mutuamente, por motivos semelhantes. Ambos sabem amar infinitamente bem ou são um igual fracasso. Ambos sabem jogar baixo ou manter o nível. Ambos se atacam mesquinhamente quando se lhes esgotam os argumentos. No amor e no sexo vão de doutores a palhaços num instante. Claro que também me apetece dizer que são todos iguais e, sim, a sua líbido funciona de outra forma - isto é ciência, não é superstição - mas também não aguento um ambiente infestado de mulherio por muito tempo. Há alturas em que a todos nos convém dizer que não acreditamos em bruxas mas que as há, há. Mas lá bem no fundo, essa coisa de se dizer a alguém que faz parte de um grupo que é um complot maquiavélico à parte, que não se entende e que se desdenha, não é mais do que uma tentativa vã de incitar a provocação, quando o que se quer na verdade é um convite para poder entrar nessa elite de que não se é pertença.

2 comentários:

€%$@ disse...

Acho as generalizações redutoras. E irritantes, vá. Quando são negativas, fico sempre com ideia que quem desdenha, quer comprar.

centrípeta disse...

E que elite era essa que te passou à frente dos olhos? Repugnada por quem mais a deseja...?

Conta, conta... :D

Vamos comer um geladinho e assistir ao pôr do sol juntas, esta semana? Diz onde e quando...

**tua m*