sexta-feira, 23 de março de 2012

indiferente

"Porque o melhor, enfim, 
É não ouvir nem ver... 
Passarem sobre mim 
E nada me doer!"
Camilo Pessanha, Clepsidra

Sabia que o dia ia chegar em que, governada pela indiferença, me tornaria este ser desapaixonado que não reconheço. 
Agora espero que também a indiferença passe, e só receio que depois não haja nada.

4 comentários:

Anna Blue disse...

Não te conheço, apenas pelo que vou lendo por aqui mas quem escreve como tu escreves, irá encontrar muitas outras coisas depois da indiferença. Basta que a isso te permitas.

Sereia* disse...

a certa altura da vida, todos somos picados por esse insecto... infelizmente, tem esse efeito anestésico de efeito prolongado...

Eu acho que o pior de tudo é não nos reconhecermos nessa fase, mais do que o medo de que não haja mais nada que se lhe siga.

Um abraço grande e forte*

macho sensivel disse...

Não reconheces porque tu não és assim!
É apenas uma fase, fruto das circunstâncias que possas ter vivido recentemente mas que há-de passar.
A vida há-de voltar a sorrir-te e irás novamente sentir-te feliz e não indiferente. Dá-lhe tempo.

nuno disse...

Vai haver...